Sinalética Braille

A opção de sinalética braille da S3F Signs

A S3Fsigns tem actualmente no seu catálogo de soluções uma série de produtos vocacionados especialmente para a segurança e informação de pessoas com deficiência visual. A sinalética em Braille, pode ser combinada com sinalética fotoluminescente, criando assim sinais integrados para todos.
Sinalética Braille
Sinalética Braille
Sinalética Braille
Sinalética Braille
Pioneiros em Portugal no fabrico de sinalética em Braille, críamos uma equipa de desenvolvimento exclusivamente para a criação de sistemas de sinalização em Braille.

Sinalética identificativa e orientação

Sinalética Braille
Sinalética Braille

Plantas de orientação

Sinalética Braille
Sinalética Braille
Sinalética Braille

Sinalização tátil

Nas portas deve haver informação visual (número da sala ou função). A sinalização tátil (em Braille ou texto em relevo) será instalada na parede, no lado onde estiver a maçaneta, a uma altura entre 0.90m e 1,10m, conforme figura.
Sinalética Braille

Parceiro consultivo

Esta equipa tem como parceiro consultivo a ACAPO (Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal), entidade a quem submetemos todos os sinais em Braille e equipamentos de apoio (pisos podotáteis) produzidos pela nossa empresa, para verificação e consequente homologação

Braille Systems

Pitons

Este produto é constituído por pitons fabricados em aço inoxidável de alta qualidade ou plástico. Os pitons são aplicados em pavimentos de modo a criar superfícies táteis para orientação dos cegos ou pessoas parcialmente invisuais. São concebidos numa peça única para garantir um desempenho estável de longa duração. O seu topo é antiderrapante de modo a oferecer maior resistência ao escorregamento.

Produto disponível em aço inoxidável com vários acabamentos e em plástico. em cores standard de amarelo e vermelho.

Sinalética Braille
Sinalética Braille
Sinalética Braille

Códigos da linguagem tátil LOGES

Aos dois códigos fundamentais, os do percurso retilíneo e de perigo, são adicionados dois códigos de segundo nível, que completam o horizonte informativo, para maior segurança e uma orientação mais segura.
Sinalética Braille
Código de Percurso Retilíneo

A caminhada em linha reta é garantia por sulcos orientados na direção de marcha e separados de acordo com normas precisas, relacionadas com as caraterísticas do sentido tátil plantar e para garanit que a extremidade da bengala branca é utlizada como guia e que não saia do trilho.

Sinalética Braille
Código de STOP/Perigo

É um símbolo adotado internacionalmente e de compreensão instintiva: o relevo esférico que o compõem são imediatamente sentidos por baixo dos pés, provocando uma nítida sensação de desconforto.

Sinalética Braille
Código de Perigo Superável

É composto pela combinação dos códigos de atenção e de perigo. É aplicado junto de zonas que requerem precaução (ex.: uma zona e escadas ou uma passadeira). A diferenciação relativamente ao código de Stop/Perigo, ignorada por outros sistemas é essencial para garantir a compreensão correta da situação e por, conseguinte, a segurança do invisual.

Sinalética Braille
Código de Atenção/Serviço

Uma superfície com canelado fino na perpendicular relativamente aos sulcos do percurso retilíneo avisa o invisual da necessidade de prestar atenção ou da presença lateral de um serviço (ex.: presença de uma porta, de um elevador, de um mapa tátil ou de uma bilheteira, etc,).

Este canelado produz um  efeito extraordinário de vibração na mão que segura a bengala branca que segue os sulcos.

Sinalética Braille
União de Cruzamento

Uma placa quadrada com pequenos discos em relevo avisa o invisual da presença de um cruzamento no qual pode escolher entre duas ou três possíveis direções.

Sinalética Braille
União de Viragem Obrigatória

É um quadrado que serve para unir dois troços de percurso retilíneo aplicados a 90 graus. Os sulcos curvos coincidem com os retilínos, enquanto que no exterior da curva, os relevos esféricos não permitem o avanço na direção errada.

Informação

A abolição das barreiras arquitetónicas está agora prevista na legislação de todos os países democráticos. É de notar o acolhimento do conceito de que as barreiras arquitetónicas incluem também as barreiras precetivas, que impedem ou dificultam a mobilidade autónoma  dos invisuais.

O pleno direito de os invisuais poderem usufruir destas ações foi recentemente reforçado pela Convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, ratificada por Itália com a lei de 25 de Fevereiro de 2009, bem como por outros 80 países de todo o mundo.

A norma CEN 12199 diz respeito às características técnicas dos materiais e não aos percursos táteis.

Álem disso, existe uma norma europeia, a CEN/TS 15209, que de momento prevê apenas 2 códigos, stop and go, e não aos 4 padrões de segundo nível, indespensáveis para construir percursos táteis que podem ser totalmente utilizados por quem não vê e que também existem no sistema Loges

Linha de Orientação Guia e Segurança

O sistema de guia tátil Loges foi concebido por uma equipa de profissionais com experiência em problemas de mobilidade, tanto nos invisuais, como nas pessoas com visão subnormal.

O sistema Loges foi estudado e desenvolvido e ápos se verificar os problemas detetados noutros perfis de percursos táteis, tendo em conta as mobilidades utilizadas pelos invisuais durante as suas deslocações, centradas na utilização do sentido tátil, plantar e no cinestésico, bem como na utilização da bengala branca.

O sistema Loges

  • possui um perfil que respeita totalmente a fisiologia do passo e é perfeitamente percetível tanto no interior como no exterior. Além disso, foi testado por associações de pessoas com incapacidade motora que defendem que estes não lhes cria qualquer problema.
  • permite ao projetista criar um percurso racional e organizado, graças ao qual os invisuais capazes de se deslocarem sozinhos adquirem uma total autonomia durante as suas deslocações.
  • inclui todos os códigos táteis necessários e suficientes para fornecer aos invisuais as informações necessárias para garantir uma deslocação segura e orientada, permitindo-lhes ainda identificar a posição dos mapas topográficos em relevo.
  • é composto por elementos modulares aplicáveis durante a construção dos pavimentos ou pavimentações pré-existentes.
  • é o único percurso tátil amplamente difundido em Itália desde 1996 com dezenas de milhares de instalações, sendo também utilizado na Grécia, em Portugal e França.
  • é comercializado pela S3F, e produzido em borracha, o que o torna totalmente perceptível pelos invisuais, devido à resposta acústica diferente deste material relativamente à pavimentação circundante.
  • é o único que permite a aplicação de vários de metros de pista contínua, sem interrupções, fugas ou desníveis, permitindo que o invisual possa deslizar a ponta da bengala nos respectivos sulcos sem qualquer obstáculo, para uma deslocação fluida e rápida.
  • é produzido em 4 cores para que o projetista o possa inserir em qualquer ambiente da melhor forma, (amarelo, vermelho, cinzento claro cinzento escuro). A possibilidade de utilizar várias cores é fundamental sobretudo para garantir o contraste de luminância necessário para realçar o sinal táctil em relação ao meio circundante, conforme disposto na lei de proteção das pessoas com visão subnormal.
  • pode também ser instalado no exterior com misturas especiais resistentes aos raios UV e a sua aplicação deve ficar totalmente plana.

Precisa de um orçamento?

Diga-nos o que precisa e iremos de encontro às suas expectativas!

pedir orçamento